Posts recentes

Resenha – Não espere pelo epitáfio…provocações filosóficas

O livro de Mario Sergio Cortella é fácil de ler e muito agradável, nada daqueles livros de filosofia densos e de difícil compreensão para a maioria de nós mortais. Ele reúne vários “insights”, são pequenos capítulos em que o autor mescla conhecimentos filosóficos gregos, italianos, orientais, passagens bíblicas, literatura e música popular entre outras e diversas fontes, sinalizando que podemos pensar a partir de diversas perspectivas e tudo serve de ponto de partida para o aprendizado. Tudo de uma forma leve e descontraída, que deixa o leitor à vontade e intrigado para perguntar a si mesmo sobre vários aspectos da vida.

Filosofia e coaching tem uma ligação estreita. Ambos partem da premissa que as respostas encontram-se dentro de cada indivíduo, toda sabedoria e poder está latente. Além disso, as grandes ferramentas para acessar o poder e a sabedoria, tanto para a filosofia quanto para o coaching, são o autoconhecimento e o questionamento.

O primeiro capítulo é o que dá nome ao livro: Não espere pelo epitáfio. Esclarecendo a palavra, epitáfio são as palavras gravadas na lápide do túmulo. Muitas vezes, palavras de pesar sobre o que poderia ter sido e/ou feito em vida, porém, por medo ou diversos motivos não foram realizados. Cortella traz uma interpretação do caminho do meio, termo cunhado no budismo, que no sentido original dos ensinamentos está longe de ser omisso diante da vida, e sim consciente de todas as escolhas, mais ou menos radicais. No fundo, traduz de forma diferente a essência.

Citarei apenas alguns capítulos e os meus questionamentos em particular, entre parênteses, para que tenham uma ideia do que os aguarda no livro:

  • O fim nunca está próximo (de onde o ser humano tirou a ideia de ciclos, épocas, prazos? Será que tudo necessita ter um fim? E o que faremos nesse meio tempo?);
  • Ouvir um bom conselho (ou viver a própria experiência? O que tem mais validade?);
  •  A obra intangível (que tal olhar além da superfície?);
  • Cautela com a laborlatria (será que o trabalho enobrece o homem? Ou o inverso é verdadeiro?)

Convido a todos que não esperem pelo seu epitáfio! É um livro de menos de 200 páginas e dá para ler em menos de uma semana. Eu o li em dois dias, as páginas estão cheias de anotações, reflexões e insights que surgiram durante a leitura. Que tal sair da zona de conforto?

Um forte abraço!

Alexandre Nakandakari

%d blogueiros gostam disto: